... Pedrada, Outeiro Maior, Corga da Vagem, Fonte das Forcadas, Curral do Pai, Seida, Muranho, Naia, ... que mais?

São estes nomes que dão vida a uma das serras lindas do nosso país - a serra de Soajo. São só 1416 metros de altura mas são metros belos que me viram crescer. Eu cresci, caminhando pelos montes da Açoreira, pelo Barroco, pela Centieira, pela Presa do Cabreiro, pela Chãe do Ruivo, pelo Gondomil, ... mas, sempre de olhos postos na Derrilheira.

 

 

DSC02710.jpg

 

 A primeira vez que me cheguei a estas pedras, na Naia, tive receio que o lobo me esperasse por ali

 

A Derrilheira é o pico mais alto que observamos de Adrão. Nesses tempos, eu pensava nessa etapa. Subir até ao Alto da Derrilheira. Para isso. teria de subir a primeira etapa - a Férrea. Não era fácil para um puto. Depois, com o andar do tempo, a Chãe do Boi, subir à Fonte da Naia, caminhar pela Naia, obsevar a Brusca e, através dela, lá longe, o Fojo do Lobo. Depois, com o andar do tempo, bebi água na Fonte do Muranho. Um dia, enchi-me de coragem e fui, só, à procura das minhas vacas. Subi do Muranho à Derrilheira, sentei-me numa pedra a observar Adrão e a sua Veiga. Nesse dia, senti-me no céu e senhor do Mundo.

 

DSC02846.jpg

 

A primeira vez que bebi água aqui, na fonte do Muranho, não havia nada destas "modernices"

 

Depois fui à Pedrada! Caminhei na Corga da Vagem e não dei com a fonte! Fui beber água à Fonte das Forcadas. Hoje, pelo menos, no mês de Agosto, não há lá fonte. Hoje sei bem onde fica a fonte da Corga da Vagem mesmo, quando não podemos lá beber água. Podemos fazer como as vacas e beber na Corga. A Corga da Vagem é a nascente mais alta do rio de Bordença.

 

DSC02947.jpg

 

A foto não diz nada sobre as belezas paisagísticas que observamos desde a Pedrada

 

Da terceira vez que fui à Pedrada, estava um dia de calor. Desci da Pedrada ao Curral do Pai e assisti a uma peripécia, aquilo a que eu chamo, um filme sem tela. O mais natural possível! Havia uma vaca que andava ao boi. A vaca era uma e os bois eram catorze. Uns velhadas e uns jovens. Sentei-me numa pedra a apreciar a luta, entre os bois, pela posse da vaca. Quando um saltava para cima da vaca, era logo atacado por outro e a vaca não era para nenhum. Numa determinada altura engalfinharam-se numa luta sem tréguas, uns com os outros, e um touro novato, achou que a luta não era com ele, aproveitou a zaragata, entre os outros e foi-se à vaca. Para mim, foi a única vez que assisti a uma guerra daquelas. Claro que nunca a esqueço mas nunca mais assisti a outra guerra igual.

 

Tudo isso faz parte do meu chavão - Montanhas Lindas.

As Montanhas Lindas do Ventor, são as montanhas da serra de Soajo, da serra da Peneda, da serra Amarela, do Gerês, ... são as montanhas dos seus sonhos e ão, também, as montanhas da sua gente

publicado por Pilantras às 00:30