Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Montanhas Lindas

Serra de Soajo, onde nos sentimos mais perto do Céu

Montanhas Lindas

Serra de Soajo, onde nos sentimos mais perto do Céu

wolf-1955518_960_720.jpg Lobo na serra de Soajo

abutres.jpgPelo ar os abutres ...

aguia.jpg... e também as águias


Vejam a serra de Soajo aqui, no Flickr https://www.flickr.com/photos/132167204@N05/albums/


As fotos em cima podem ser um lobo na serra de Soajo a caminhar na minha serra com os garranos e as rainhas da montanha, pela Corga da Vagem, pela Naia, pelo Curral do Pai, pela Serrinha, pela Derrilheira, … é mesmo lindo! Mas os lobos pouco se notam. Vieram os abutres e as outras aves de rapina também têm estado de abalada. Esta é a minha serra.

09 08 09_1163.jpg

 Em 09-08-2009, comemos os rojões na Corga da Vagem

09 08 09_1165.jpg

E assim foi tudo aviado a meio da caminhada


Depois? Bem, depois ... vamos caminhando!


O Cantinho do Ventor
Caminhando por aí
Ventor e a África
Observar o Passado
Planeta Azul
A Grande Caminhada
A Arrelia do Quico
Os Amigos do Quico
Fotoblog do Quico
Fotoblog do Ventor
Coisas Lindas do Ventor
Rádio Ventor
Pilantras com o Ventor
Fotoblog do Pilantras
Adrão e o Ventor
Os Filhos do Sol
As Belezas do Ventor
Ventor entre as Flores

22.06.18

Alto da Derrilheira - o Miradouro


Luiz Franqueira

09 08 09_0914.jpg

Este é o Alto da Derrilheira visto da Fonte da Naia. É preciso trepar muito para lá chegar

O Alto da Derrilheira é o monte mais alto que se vê de Adrão. Quando está nevado é, para mim, uma espécie do monte Fuji, no Japão.

09 08 09_1062.JPG

A cruz que o Prof. Jorge Lage lá mandara colocar. Creio que para nós os quatro foi o primeiro e último dia que a vimos

As minhas caminhadas na serra de Soajo, levam-me sempre lá, àquele miradouro especial. De lá observamos o nosso berço de cima para baixo. Quando pelos anos fora eu subia à Pedrada, subia da Fonte do Muranho à Derrilheira ou, então, descia da Pedrada e ia ao Alto da Derrilheira para voltar a observar tudo. Depois inclinava-me para o Muranho ou descia o Alto da Derrilheira rumo à fonte da Naia, ou seguia pelo Alto do Lombo, rumo à Barreira. Normalmente subia e descia quase sempre pela Férrea.

Tenho um vídeo que fiz em 2017 e vou coloca-lo, para mostrar aos que não conhecem, como no Alto da Derrilheira estamos pertinho do céu. Os que conhecem já sabem como é.

09 08 09_1085.jpg

Deste local vemos tudo em redor da Derrilheira. Do lado de cá, atrás das nossas costas fica o alto da Pedrada que quase não vemos, por estar tapado pela Serrinha e entre a Serrinha e a Pedrada fica a Corga da Vagem até às Forcadas

Haverá também aqueles que há muitos anos lá não vão e aqueles que jamais irão. Não sei se será o meu caso! Dizem que o destino marca a hora mas, também pode ser que o destino já tenha a hora marcada.

garrano.jpg

Garranos na serra de Soajo, cavalos para os deuses

13.06.18

Serra de Soajo ... 1


Luiz Franqueira

... um Éden no nosso mundo.

Um Éden, aquele Éden que a Teresa Araújo, de Soajo, nos trás através de fotos obtidas nas suas belas caminhadas.

A serra de Soajo é bela todo o ano, durante as quatro estações mas há momentos em que a beleza está mais presente. Sim porque a serra também muda de blusas, de saias, de vestidos, de alcatifas, de carpetes ... como uma mulher de Soajo.

09 08 09_1048.jpg

Alto da Derrilheira, na serra de Soajo. A cruz não foi surpresa porque já sabíamos que tinha lá sido colocada. A surpresa foram as vacas junto da cruz. O mais belo e mais nobre sítio para nós e o Senhor da Esfera estarmos todos juntos

É como as belas mulheres de Soajo, que pegam numa enxada e vão cavar a lavoura para semear o milho, para plantar, ou se preferirem, semear as batatas e todas as demais tarefas levadas a cabo nas fraldas da nossa serra. Ela lá está, suja da terra cavada ou enlameada das regas do milho. Por baixo dessa sujidade ela continua a ser uma mulher bonita mesmo vestida de negro, trajes usados pelos lutos com que o mundo a brindou. A morte de familiares ou a emigração do marido ou dos filhos para outros mundos. Era assim no meu tempo de jovem! Hoje poderá ser um pouco diferente mas o âmago está lá. Mulher linda, serra linda, como linda é a água das suas fontes.

Recordo-me de, noutros tempos, quando o marido ou os seus filhotes vinham de visita, o traje negro era substituído por trajes coloridos, os sorrisos tristes eram substituídos por sorrisos alegres, os olhos quase mortiços eram substituídos pelo brilho da felicidade. Ontem como hoje, a serra de Soajo continua a proceder como as mulheres de antanho que levantavam a cabeça para a olhar airosa nos seus horizontes por onde caminhavam grande parte do sustento das suas gentes - as rezes.

09 08 09_1049.jpg

Alto da Derrilheira - as vacas até parece que gostaram da cruz

As mulheres de então, quando faltavam os homens, caminhavam pela serra com a vista e com as pernas, atrás dos seus animais. Molhadas e cansadas, tantas vezes, mas tinha de ser.

Hoje, corre nas veias de algumas, tal como o sangue da vida, a memória colectiva dos tempos e a vontade de continuar a olhar a nossa serra de baixo para cima mas também de cima para baixo. Por isso lá vão elas, como as suas mães e avós, por motivos lúdicos observar as alcatifas e carpetes que seus antepassados pisaram para não esquecerem os esforços de outrora.

crurral-do-pai.jpg

 Foto da Teresa Araújo, um pormenor da serra de Soajo vestida com uma blusa rosa, numa das suas caminhadas primaveris

Quando andava lá pelas minhas Montanhas Lindas, nos meus tempos de rapazote, quando as primaveras eram quentes e amenas, as vacas começavam mais cedo a subir a serra. Procurava as vacas pela Chãe do Boi e já elas andavam pela Naia. Procurava-as pela Naia e já andavam pela Serrinha e, quando dava pela fé, já andavam pela Corga da Vagem, pelo Curral do Pai, pela Pedrada, porque umas seguiam as outras. Um dia, numa dessas primaveras, uma toura já espigada, a Briosa, abandonou as suas parceiras e, acompanhando outras, arrancou serra acima. Eu achava que ela poderia ter ido serra acima porque não a via e procurei-a até ao Curral do Pai, onde estava.

Fui à Pedrada e vi que já havia muito gado no Curral do pai. Desci da Pedrada ao Curral do Pai acossado por muito calor e, lá no fundo, junto às belas ericas rosas ou roxas, como essas em cima, assisti a uma peripécia que ainda hoje recordo e que eu guardo comigo, como se fosse um filme digital. Uma vaca andava ao boi. Haviam, por ali, muitas vacas mas, para essa vaca haviam 14 bois. Uns mais velhadas e outros mais jovens. Sentei-me numa pedra a apreciar a luta, entre os bois, pela posse da vaca. Quando um saltava para cima da vaca, era logo atacado por outro e a vaca não era para nenhum. Numa determinada altura engalfinharam-se numa luta sem tréguas, uns com os outros. Cornada daqui, cornada dali, um dos bois mais novatos, achou que a luta não era com ele, aproveitou a zaragata, entre os outros e foi-se à vaca. Para mim, foi a única vez que assisti a uma guerra daquelas. Claro que nunca a esqueço mas nunca mais assisti a outra guerra igual, nem na serra de Soajo, nem em mais lado nenhum. A beleza daquela refrega entre as ericas rosadas, ficou para sempre gravada no meu cérebro.

serra-de-soajo.jpg

Foto da Teresa Araújo, com as rainhas das montanhas alimentando-se sobre as alcatifas rosadas do Ventor. No Éden não haverá nada melhor

Como são belas as ericas floridas! Quando vejo imagens destas, recordo sempre o Curral do Pai, nos tempos que eu batia a nossa serra como um lobo. Os animais da serra de Soajo, como os garranos e as rainhas das montanhas, sempre que alguém se aproxima, levantam as cabeças e observam se serão os seus donos a saber deles.

Obrigado Teresa Araújo (se leres isto) por partilhares as tuas lindas fotos. Mas recordo-te que, sempre que te apeteça pular, saltar, deixares-te cair nessas alcatifas, nunca esqueças que podem abrigar aquelas cobrinhas pequeninas a que chamamos víboras ou uma espécie de escorpiões que eu só vi no Barroco por cima da Assureira. Creio que uns e outros andam por aí. Ao descer a Férrea para Adrão já caí sobre moitas por duas vezes e, pelas duas vezes vi uma cobra castanha passar por baixo de mim, praticamente no mesmo sítio. A última vez foi em 2013 quando uma hérnia lombar me fez a vida negra a subir e a descer essa linda serra de Soajo.

garrano.jpg

Garranos na serra de Soajo, cavalos para os deuses